terça-feira, 9 de outubro de 2018

Calendário Miúdos a Votos 2018-19

Calendário «Miúdos a Votos» 2018-2019

ATÉ 4 DE NOVEMBRO: RECENSEAMENTO DAS ESCOLAS

As escolas/professores manifestam interesse em participar na iniciativa, preenchendo o formulário disponível em http://bit.ly/2QmZziS.


ATÉ 4 DE NOVEMBRO: APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

Os alunos apresentam o livro que candidatam à eleição através do preenchimento do formulário em http://bit.ly/2oZ2cuu.


5 DE DEZEMBRO: DIVULGAÇÃO DA LISTA DOS LIVROS CANDIDATOS

A lista será divulgada na revista VISÃO Júnior, no sítio da VISÃO Júnior na internet, no portal da RBE e no do PNL.


ENTRE 28 DE JANEIRO E 13 DE MARÇO 2019: CAMPANHA ELEITORAL

Os alunos partidários de cada livro defendem as suas ideias publicamente.


15 DE MARÇO: VOTAÇÃO

Será feita em urna, na biblioteca da escola ou noutro espaço da escola, usando os boletins de voto fornecidos pela organização da iniciativa.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Bibliotrónica Portuguesa


A Bibliotrónica Portuguesa visa permitir o acesso gratuito, on-line, a livros escritos em português europeu. De três modos:
  • em reedições de livros já publicados em papel,
  • em edições de originais inéditos,
  • através de um índice remissivo para todos os livrónicos que encontremos na Internet em português europeu.

terça-feira, 2 de outubro de 2018







A LITERACIA 3Di consiste num desafio nacional , dirigido aos alunos dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico de todo o país, com o objetivo de promover a literacia nas dimensões da Leitura, Matemática, Ciência e Inglês.
É uma iniciativa da inteira responsabilidade da Porto Editora que, envolvendo os demais elementos da comunidade educativa – escolas, professores, pais e encarregados de educação, instituições públicas e privadas –, pretende contribuir para elevar os níveis de literacia dos alunos e para o seu desenvolvimento educativo, pessoal e social, ajudando-os a consolidar as aprendizagens e a desenvolver competências.
 Os alunos são testados através de provas desenvolvidas num contexto similar ao das avaliações internacionais, promovendo a literacia e respetiva avaliação em quatro dimensões fundamentais do conhecimento: LeituraMatemáticaCiência Inglês.
. A quarta edição da LITERACIA 3Di (que decorre ao longo do ano letivo 2018- 2019) é aberta a todos os alunos do 7.º e 8.º anos de escolaridade, sem qualquer tipo de filtro ou seleção. Para a presente edição, os alunos do 5.º ano são desafiados para a literacia de Matemática, os alunos do 6.º ano para a literacia de Ciência, os alunos do 7.º ano para a literacia de Leitura e os do 8.º ano respondem a questões de Inglês.
. A LITERACIA 3Di desenrola-se ao longo de todo o ano letivo, com três fases definidas:
a) Primeira Fase – Local Realiza-se de 19 a 23 de novembro de 2018 para o 2.º ciclo e de 26 a 30 de novembro para o 3.º ciclo na biblioteca da EB Mem Ramires e ES Dr. Ginestal Machado, respetivamente.
. b) Segunda Fase – Distrital
Realiza-se de 11 a 22 de março de 2019, num estabelecimento de ensino localizado em cada uma das capitais de distrito/ região autónoma, a definir pela Porto Editora.
 c) Terceira Fase – Final Nacional
A final da presente edição realiza-se a 17 de maio de 2019, no Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva (Lisboa)

Inscrição
1. A participação  é gratuita e os estabelecimentos de ensino devem concretizar a respetiva inscrição de todos os seus alunos dos respetivos anos de escolaridade de 1 a 19 de outubro de 2018.
Assim, as inscrições deverão ser coordenadas pelos representantes de GR , preenchendo o ficheiro Excel anexado, o qual deverá ser enviado para o email bibcrmemramires@gmail.com até 15 de outubro de 2018.
2. A inscrição dos alunos é feita indicando o nome completo e o ano e turma a que pertencem.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Eu Amo a Biblioteca Escolar

mibe

A partir do tema definido pela International Association of School Librarianship (IASL) para o International School Library Month (ISLM) em 2018, "Why I love my school library", a RBE procurou uma formulação que melhor traduzisse para a língua portuguesa a ideia transmitida, optando-se por uma linguagem híbrida em que todas as gerações se revêem: “Eu ♥  biblioteca escolar”.
Como habitualmente, o Dia Internacional da Biblioteca Escolar será assinalado na quarta segunda-feira de outubro, dia 22.
Para além das propostas da IASL disponíveis aqui, a Rede de Bibliotecas Escolares lança o habitual desafio, para assinalar o Mês Internacional da Biblioteca Escolar (MIBE) e celebrar a importância das bibliotecas e de tudo o que têm de bom.
Mais informações aqui.


Concurso Nacional de Leitura 2018-19

13aedCNL.png
A 13.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura (CNL) decorre entre o dia 3 de outubro de 2018, data oficial de abertura, e o dia 25 de maio de 2019, dia da grande final, em Braga.
O objetivo central do Concurso Nacional de Leitura é estimular o gosto e os hábitos de leitura e melhorar a compreensão leitora. A iniciativa tem como destinatários alunos dos 1.º,2.º, 3.º ciclos do ensino básico e alunos do ensino secundário.
Cabe ao Plano Nacional de Leitura 2027 (PNL2027) a iniciativa e o desenvolvimento do CNL, ao longo de quatro fases consecutivas:
Fase Escolar – engloba as provas nas escolas, fazendo intervir as Bibliotecas Escolares, com o apoio das Bibliotecas Públicas Municipais;
Fase Municipal – engloba as provas nos municípios, fazendo intervir as Bibliotecas Públicas Municipais, com o apoio das Bibliotecas Escolares;
Fase Intermunicipal – engloba as provas no território das Comunidades Intermunicipais (CIM) / Áreas Metropolitanas de Lisboa (AML) e do Porto (AMP), Regiões Autónomas dos Açores (RAA) e da Madeira (RAM), fazendo intervir as Bibliotecas Públicas Municipais, com o apoio das Bibliotecas Escolares;
Fase Nacional – conta com a participação de todos os parceiros e é constituída por uma prova que apurará cinco finalistas em cada nível de ensino, os quais serão, na cerimónia final, ordenados em função da avaliação de um júri nacional, a constituir para o efeito.
A participação no concurso está aberta às escolas do Continente e das Regiões Autónomas dos Açores (RAA) e da Madeira (RAM), das redes pública e privada que a ele aderirem, através da inscrição de alunos de todos os ciclos de ensino – 1.º ciclo / 2.º ciclo / 3.º ciclo / ensino secundário. Está igualmente aberta aos alunos das Escolas Portuguesas no Estrangeiro (EPE) da área de influência da Direção-Geral de Administração Escolar/Direção de Serviços de Ensino e das Escolas Portuguesas no Estrangeiro (DGAE/DSEEPE) e aos alunos da rede de Ensino Português no Estrangeiro (EPE) do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua (Camões, IP).


Roteiro para uso da biblioteca escolar – Escolas do 1.º ciclo do ensino básico e jardins-de-infância

21184571_q6LzW
Com este documento, a RBE pretende apoiar os professores bibliotecários na organização, gestão e dinamização das bibliotecas escolares nas escolas do primeiro ciclo e nos jardins-de-infância, convocando os docentes para uma melhor apropriação desta estrutura, através da apresentação de propostas facilitadoras da utilização da BE por todos.
Apresenta-se como um instrumento de operacionalização de trabalho colaborativo entre o professor bibliotecário e os docentes, visando apoiar o desenvolvimento de um conjunto de competências gerais e transversais às diferentes áreas curriculares e conteúdos programáticos, em contextos diversificados, promovendo a biblioteca escolar como um ambiente de aprendizagem transdisciplinar e dinâmico.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Concurso Autores Digitais



O CCTIC Santarém lançou na semana em que se comemorou em Portugal, o dia das Bibliotecas Escolares (23 de outubro), o concurso "Autores Digitais".
Este concurso tem como público-alvo alunos dos 1.º e 2.º ciclos do Ensino Básico e seus professores, em articulação com as bibliotecas escolares.
Com este concurso os participantes são desafiados a criar uma história original, que aborde um dos temas da Educação para a Cidadania a ilustrá-la e a publicá-la usando aplicações online.
São admitidas a concurso todas as histórias que se integrem em qualquer das áreas temáticas de educação para a cidadania. As histórias serão avaliadas por um júri multidisciplinar  e as melhores serão premiadas.
Sugere-se a consulta da documentação disponibilizada pela Direção-Geral da Educação em http://www.dge.mec.pt/areas-tematicas
INSCRIÇÕES ATÉ: 30 de novembro de 2017 *ENVIO DE TRABLHOS ATÉ*: 30 de março de 2018 Mais informações em:http://cctic.ese.ipsantarem.pt/cctic/autores-digitais-201718/
Materiais de apoio: tutorial Storyjumper em:http://cctic.ese.ipsantarem.pt/cctic/2017-10-11-storyjumper/

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Dia do Sonho






25 de setembro conhecido globalmente como "World Dream Day",   Dia do Sonho,foi criado por um Professor na Universidade de Columbia em 2002 com o objetivo de refletirmos nos nossos sonhos e em como os atingir, fazendo do mundo um melhor lugar para se viver.


Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

António Gedeão.  In Movimento Perpétuo, 1956

Plano Nacional Leitura


 Ler é um prazer. Mas só para alguns. Para quem cresceu entre livros, por exemplo, e conquistou, a cada página lida, o gosto pela leitura. Ao mesmo tempo, descobriu que cada livro guarda dentro outros mundos, outras pessoas, outros lugares, outros tempos, outras memórias, outras formas de ser, de estar, de sentir, de comunicar, de rir... E essa descoberta, intimamente ligada à preservação da capacidade de espanto que caracteriza a infância, terá sempre alimentado a vontade de continuar a ler. Por prazer, não por obrigação.

 Não é muito diferente do que acontece com outras atividades que preenchem o nosso quotidiano, como comer ou fazer exercício físico. Comer pode ser um prazer, para quem desde cedo aprendeu a distinguir o sabor dos alimentos; fazer exercício físico também pode ser um prazer, para quem cresceu a fazer cambalhotas e pinos, a jogar à bola e a correr atrás dos amigos. É certo que todas estas atividades, sendo à partida naturais, implicam depois uma decisão e uma prática. No caso da leitura, essa decisão e essa prática dependem, muitas vezes, de quem nos rodeia: das famílias, dos amigos, dos professores... Se quem nos rodeia tiver a capacidade de nos contaminar com boas leituras, leituras que alimentem a nossa curiosidade e estimulem a nossa imaginação, de certeza que cresceremos leitores.

  É também esse o momento em que se torna fundamental o papel do Plano Nacional de Leitura, fornecendo coordenadas para que a leitura se torne um prazer, isto é, sugerindo livros capazes de entusiasmar não apenas os que já são leitores, como aqueles que ainda não são. Funciona como um mapa, útil em qualquer viagem, sobretudo em viagens por territórios desconhecidos, e pode ser usado para orientar leitores de todas as gerações. Assim como para dar pistas para que as famílias e os professores saibam o que partilhar com os leitores mais novos, e até entre si.

                Essa troca — de professores com alunos, de famílias com professores, de pais com filhos — é essencial para formar leitores e para, no meio das dezenas de livros que são diariamente publicados em Portugal, distinguir os melhores. Só deste modo será possível criar uma rede em que os livros, escolhidos por especialistas, possam circular pelas mãos dos leitores, os que já o são e os que se tornarão. A leitura implica essa prática. E essa conquista.
 

                                                                                                                     Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027